Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
​Jovens com Síndrome de Down, do Recife, vivenciam experiência profissional inédita no Brasil​

Recife,  20 de março de 2018
–  No Recife, jovens com Síndrome de Down, com idade entre 24 e 26 anos, estão vivenciando uma experiência profissional e psicossocial inédita no Brasil. Mais que uma oportunidade de inclusão no mercado de trabalho, os aprendizes estão sendo acompanhados por uma equipe multidisciplinar, com foco no desenvolvimento, resultados e inovação. O projeto pioneiro está sendo desenvolvido pela Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), empresa do Grupo Neoenergia.

Por meio do Método Murakami, a finalidade é estimular a cognição e ampliar a capacidade intelectual dos três jovens, incentivando a ir além do mero atendimento de objetivos corporativos. Para isso, a Celpe estruturou um ambiente profissional que pudesse abranger as mais diversas áreas de aprendizado para uma pessoa com Síndrome de Down.

Com uma equipe formada por fonoaudiólogo, psicólogo e educadores, a distribuidora de energia idealizou um espaço específico para o aprendizado no ambiente de trabalho. Os jovens foram alocados em áreas de atuação onde podem desenvolver desde atividades simples até de maior complexidade. O objetivo é transformar o ambiente corporativo numa experiência inclusiva e agregadora.

“Em nove meses de projeto, os jovens puderam desenvolver diversas habilidades, com foco nos resultados e crescimento profissional. As áreas que receberam esses profissionais pontuam que todos têm um alto desempenho dentro de suas tarefas e se mostram abertos ao novo aprendizado”, comenta Wider Basílio, gestor do projeto na Celpe.

Encontrar iniciativas que tenham foco no desenvolvimento cognitivo desse grupo de jovens não é comum no Brasil. Apesar de programas corporativos de inclusão de pessoas com Síndrome de Down, a maioria das empresas dedicam esforços apenas à demonstração da capacidade do jovem em cumprir as tarefas demandadas. No entanto, o foco no desenvolvimento intelectual acaba sendo esquecido dentro de algumas propostas.

METODOLOGIA – Os jovens encontram na empresa toda a estrutura preparada para um avanço não apenas no cumprimento das demandas, mas também no alcance de um incremento profissional e pessoal. A partir do acompanhamento por profissionais da psicologia, educação e fonoaudiologia, a partir da metodologia Murakami - modalidade de ensino por meio da articulação dos conhecimentos, propiciando ao jovem autonomia para a execução de atividades e resolução de questões do cotidiano com enfoque na compreensão/contextualização/argumentação e decisão - os jovens aprendem, no trabalho, a valorizar seus pontos fortes e aperfeiçoar os aspectos com necessidade de melhoria.

Com duração de 17 meses, a experiência pretende condicionar o jovem ao mercado de trabalho, gerando conhecimento e desenvolvimento. O objetivo da companhia é absorver esses profissionais de acordo com a evolução no desempenho. Perpetuar o conhecimento adquirido no projeto para outras empresas também é um dos motes da iniciativa, que pretende tornar o caso um exemplo a ser seguido, possibilitando o desenvolvimento de um mercado de trabalho cada vez mais inclusivo.​